...

Central de atendimento ao Técnico

0800 016 1515

Generic selectors
Somente resultados exatos
Buscar em títulos
Buscar no conteúdo
Post Type Selectors
Buscar em posts
Buscar em páginas

CONHEÇA O CRT DA SUA REGIÃO:

Técnicos Industriais em Móveis têm atribuições definidas pelo CFT

Resolução do Conselho Federal dos Técnicos Industriais abrange atribuições, campos de atuação e prerrogativas dos profissionais que atuam na indústria moveleira.

Entrou em vigor a resolução do Conselho Federal dos Técnicos Industriais (CFT) que disciplina o exercício profissional dos técnicos industriais em Móveis. A normativa federal de número 204/2022, estabelece diretrizes para o exercício legal da profissão no âmbito da cadeia produtiva moveleira e de esquadrias, abrangendo atividades relacionadas a elaboração de projetos para a produção seriada ou de coordenação e supervisão das linhas de montagens das empresas que atuam no setor secundário da economia brasileira.

A resolução do CFT contempla profissionais registrados e habilitados no Sistema CFT/CRTs. É o caso do técnico industrial Ricardo Aresso Zalamena, formado em Móveis pelo Instituto Federal Farroupilha de Santa Rosa, município localizado na região Celeiro do Rio Grande do Sul. Após concluir o curso técnico, Zalamena investiu na fundação de uma empresa que atua na área de arquitetura e interiores. Segundo o empreendedor o curso de formação proporcionou avanços na sua carreira. “Foi uma formação que aliou os conhecimentos teóricos e práticos e que proporcionaram base sólida para esta minha atividade, que agora ganha maior relevância com esta resolução do CFT”, conclui.

Técnico em Móveis

Segundo dados do Ministério da Educação (MEC), cursos de formação na área tem previsão mínima de 1.200 horas/aula, com um currículo que inclui, no curso ofertado pelo Instituto Federal de Brasília, desenho técnico, processo produtivo moveleiro e projeto e design de móveis. A formação garante ao concluinte a competência de trabalhar em ocupações como projetista de móveis, desenhista técnico de mobiliário e mestre da indústria de móveis e esquadria de madeira. Para emitir Termos de Responsabilidade Técnica (TRT) para os serviços prestados, é indispensável que o técnico faça seu registro profissional no Sistema de Informação dos Conselhos dos Técnicos Industriais (Sinceti), que pode ser solicitado neste link.

Resolução 204/2022

O texto da normativa, publicada no Diário Oficial da União (DOU), lista 29 atribuições que os profissionais podem exercer, dentre elas está o desenvolvimento de projetos de móveis, modelagem e renderização, aplicação de normas técnicas relativas a seus processos de trabalho e elaboração de manuais técnicos e de boas práticas. A resolução destaca ainda que fica assegurado ao técnico o exercício de outras atribuições, desde que compatíveis com a sua área de formação.

Últimas notícias

Fiscalização apresenta resultados das avaliações de conformidade

Indicadores das atividades de equipes de fiscalização dos onze regionais que integram o Sistema CFT/CRTs relativos ao ano de 2023, colhidos durante as visitas de…
Ler mais...

CFT prestigia posse no Conselho Federal de Contabilidade

Diretoria executiva do Conselho Federal dos Técnicos Industriais (CFT) participou da solenidade prestigiada por deputados, senadores, representantes do Governo Federal, Governo do Distrito Federal, Tribunal…
Ler mais...

CFT aprimora Plano Nacional de Fiscalização Integrada

Normativa aprovada pelo Plenário do Conselho Federal dos Técnicos Industriais (CFT) modifica a resolução nº 190/2022 para aperfeiçoar as diretrizes de planejamento e execução da…
Ler mais...

Técnicos Industriais em Móveis têm atribuições definidas pelo CFT

Resolução do Conselho Federal dos Técnicos Industriais abrange atribuições, campos de atuação e prerrogativas dos profissionais que atuam na indústria moveleira.

Entrou em vigor a resolução do Conselho Federal dos Técnicos Industriais (CFT) que disciplina o exercício profissional dos técnicos industriais em Móveis. A normativa federal de número 204/2022, estabelece diretrizes para o exercício legal da profissão no âmbito da cadeia produtiva moveleira e de esquadrias, abrangendo atividades relacionadas a elaboração de projetos para a produção seriada ou de coordenação e supervisão das linhas de montagens das empresas que atuam no setor secundário da economia brasileira.

A resolução do CFT contempla profissionais registrados e habilitados no Sistema CFT/CRTs. É o caso do técnico industrial Ricardo Aresso Zalamena, formado em Móveis pelo Instituto Federal Farroupilha de Santa Rosa, município localizado na região Celeiro do Rio Grande do Sul. Após concluir o curso técnico, Zalamena investiu na fundação de uma empresa que atua na área de arquitetura e interiores. Segundo o empreendedor o curso de formação proporcionou avanços na sua carreira. “Foi uma formação que aliou os conhecimentos teóricos e práticos e que proporcionaram base sólida para esta minha atividade, que agora ganha maior relevância com esta resolução do CFT”, conclui.

Técnico em Móveis

Segundo dados do Ministério da Educação (MEC), cursos de formação na área tem previsão mínima de 1.200 horas/aula, com um currículo que inclui, no curso ofertado pelo Instituto Federal de Brasília, desenho técnico, processo produtivo moveleiro e projeto e design de móveis. A formação garante ao concluinte a competência de trabalhar em ocupações como projetista de móveis, desenhista técnico de mobiliário e mestre da indústria de móveis e esquadria de madeira. Para emitir Termos de Responsabilidade Técnica (TRT) para os serviços prestados, é indispensável que o técnico faça seu registro profissional no Sistema de Informação dos Conselhos dos Técnicos Industriais (Sinceti), que pode ser solicitado neste link.

Resolução 204/2022

O texto da normativa, publicada no Diário Oficial da União (DOU), lista 29 atribuições que os profissionais podem exercer, dentre elas está o desenvolvimento de projetos de móveis, modelagem e renderização, aplicação de normas técnicas relativas a seus processos de trabalho e elaboração de manuais técnicos e de boas práticas. A resolução destaca ainda que fica assegurado ao técnico o exercício de outras atribuições, desde que compatíveis com a sua área de formação.