...

Central de atendimento ao Técnico

0800 016 1515

Generic selectors
Somente resultados exatos
Buscar em títulos
Buscar no conteúdo
Post Type Selectors
Buscar em posts
Buscar em páginas

CONHEÇA O CRT DA SUA REGIÃO:

Justiça Federal confirma prerrogativa dos técnicos em Edificações

Sentença anula multas aplicadas indevidamente e reitera a prerrogativa de profissionais assumirem responsabilidade técnica em vistoria de estruturas metálicas. Cabe recurso à decisão em primeira instância.

A Justiça Federal confirmou prerrogativa dos técnicos industriais registrados na modalidade de Edificações. A decisão do juiz substituto Ivan Lira de Carvalho, da 5ª Vara Federal do Rio Grande do Norte, anula multas aplicadas indevidamente pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do estado (CREA-RN) contra profissional registrado no Sistema CFT/CRTs. O técnico assumiu responsabilidade técnica por vistoria em estruturas metálicas de trio elétrico por meio da emissão do Termo de Responsabilidade Técnica (TRT). Cabe recurso à decisão em primeira instância.

Na ação, o técnico industrial pleiteou a desconstituição das sanções. A sentença favorável ao autor, emitida no dia 31 de agosto, é fundamentada na Resolução nº 58/2019 do CFT,  que dispõe sobre as prerrogativas e atribuições dos profissionais nas modalidades Edificações e Construção Civil, assim como na Constituição Federal e no decreto-lei nº 90.922/1985, que dispõe sobre o exercício da profissão de técnico industrial.

Para o presidente do CFT, Solomar Rockembach, decisões como essa reiteram a legalidade das ações do CFT e dão mais segurança para que os profissionais registrados exerçam suas competências e prerrogativas em sua plenitude. Rockembach destaca que a legislação vigente define como competência do CFT orientar, disciplinar e fiscalizar o exercício profissional da categoria.

Decisão judicial

Segundo explica o procurador-chefe do CFT, Antenor Alves Júnior, a legislação limita apenas a realização de reformas em estruturas metálicas. “[O decreto 90.922/1985] não menciona como restrição à atividade dos técnicos industriais a realização de vistorias em estruturas metálicas”, aponta Alves, citando a redação da sentença.

Para a advogada do técnico industrial, Stephanie Castro, a decisão ratifica o livre exercício da profissão do técnico, bem como ”repudia a exorbitância da competência de outro conselho profissional querer interferir, com aplicação de multa, na atuação do técnico”, pontua a advogada.

Últimas notícias

CFT participa de lançamento do Selo Amigo da Escola

Projeto idealizado pelo Conselho Regional dos Técnicos Industriais do Estado do Rio de Janeiro (CRT-RJ), pretende estimular e reconhecer o ensino técnico de qualidade oferecido…
Ler mais...

CFT prestigia lançamento de novo campus do Instituto Federal de Brasília

Presidente Solomar Rockembach participou do lançamento da pedra fundamental do projeto que será construído em uma das regiões administrativas mais populosas do Distrito Federal.
Ler mais...

Presidente do Senado recebe convite do CFT

Senador Rodrigo Pacheco (PSD/RO) foi convidado pelo presidente Solomar Rockembach para participar da Semana Nacional do Técnico Industrial 2024. Quinta edição do evento promovido pelo…
Ler mais...

Justiça Federal confirma prerrogativa dos técnicos em Edificações

Sentença anula multas aplicadas indevidamente e reitera a prerrogativa de profissionais assumirem responsabilidade técnica em vistoria de estruturas metálicas. Cabe recurso à decisão em primeira instância.

A Justiça Federal confirmou prerrogativa dos técnicos industriais registrados na modalidade de Edificações. A decisão do juiz substituto Ivan Lira de Carvalho, da 5ª Vara Federal do Rio Grande do Norte, anula multas aplicadas indevidamente pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do estado (CREA-RN) contra profissional registrado no Sistema CFT/CRTs. O técnico assumiu responsabilidade técnica por vistoria em estruturas metálicas de trio elétrico por meio da emissão do Termo de Responsabilidade Técnica (TRT). Cabe recurso à decisão em primeira instância.

Na ação, o técnico industrial pleiteou a desconstituição das sanções. A sentença favorável ao autor, emitida no dia 31 de agosto, é fundamentada na Resolução nº 58/2019 do CFT,  que dispõe sobre as prerrogativas e atribuições dos profissionais nas modalidades Edificações e Construção Civil, assim como na Constituição Federal e no decreto-lei nº 90.922/1985, que dispõe sobre o exercício da profissão de técnico industrial.

Para o presidente do CFT, Solomar Rockembach, decisões como essa reiteram a legalidade das ações do CFT e dão mais segurança para que os profissionais registrados exerçam suas competências e prerrogativas em sua plenitude. Rockembach destaca que a legislação vigente define como competência do CFT orientar, disciplinar e fiscalizar o exercício profissional da categoria.

Decisão judicial

Segundo explica o procurador-chefe do CFT, Antenor Alves Júnior, a legislação limita apenas a realização de reformas em estruturas metálicas. “[O decreto 90.922/1985] não menciona como restrição à atividade dos técnicos industriais a realização de vistorias em estruturas metálicas”, aponta Alves, citando a redação da sentença.

Para a advogada do técnico industrial, Stephanie Castro, a decisão ratifica o livre exercício da profissão do técnico, bem como ”repudia a exorbitância da competência de outro conselho profissional querer interferir, com aplicação de multa, na atuação do técnico”, pontua a advogada.