...

Central de atendimento ao Técnico

0800 016 1515

Generic selectors
Somente resultados exatos
Buscar em títulos
Buscar no conteúdo
Post Type Selectors
Buscar em posts
Buscar em páginas

CONHEÇA O CRT DA SUA REGIÃO:

Consciência Negra: conhecer o passado para projetar um futuro diferente

O Dia da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro, foi oficialmente instituído pela lei nº 12.519 de 2011. A data alude à morte de Zumbi – último líder de um dos maiores quilombos do Brasil, o de Palmares, Zumbi enfrentou a Coroa Portuguesa em defesa dos escravos que fugiam do trabalho desumano e das torturas vigentes nas fazendas. Na época, Palmares era o maior quilombo do país, chegando a abrigar cerca de 30 mil negros fugitivos do trabalho forçado. Prestes a se tornar uma lenda, no ano de 1695 da referida data, Zumbi é assassinado aos 40 anos por agentes do governo, tendo ainda partes de seu corpo expostas em praça pública, na cidade de Recife.

Na era das Fake News, o protagonista da luta antiescravista é novamente vilipendiado, mas desta vez por boatos e teorias difundidas na internet, que na tentativa de macular a memória de Zumbi dos Palmares, vendem a ideia de que seu legado teria sido uma farsa ou de que ele teria escravizado pessoas – discurso sem fundamentação teórica e facilmente rebatido e desmentido por historiadores.

Em reconhecimento ao legado de Zumbi e de todas as figuras centrais do movimento negro brasileiro, de Luis Gama a Milton Santos, (saiba mais sobre eles aqui), o CFT evoca nesta data o poema símbolo da resistência negra em todo o mundo: “Ainda assim me levanto”, de Maya Angelou (1978).

“Você pode me riscar da História

Com mentiras lançadas ao ar.

Pode me jogar contra o chão de terra,

Mas ainda assim, como a poeira, eu vou me levantar.”

 

Últimas notícias

CFT participa de lançamento do Selo Amigo da Escola

Projeto idealizado pelo Conselho Regional dos Técnicos Industriais do Estado do Rio de Janeiro (CRT-RJ), pretende estimular e reconhecer o ensino técnico de qualidade oferecido…
Ler mais...

CFT prestigia lançamento de novo campus do Instituto Federal de Brasília

Presidente Solomar Rockembach participou do lançamento da pedra fundamental do projeto que será construído em uma das regiões administrativas mais populosas do Distrito Federal.
Ler mais...

Presidente do Senado recebe convite do CFT

Senador Rodrigo Pacheco (PSD/RO) foi convidado pelo presidente Solomar Rockembach para participar da Semana Nacional do Técnico Industrial 2024. Quinta edição do evento promovido pelo…
Ler mais...

Consciência Negra: conhecer o passado para projetar um futuro diferente

O Dia da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro, foi oficialmente instituído pela lei nº 12.519 de 2011. A data alude à morte de Zumbi – último líder de um dos maiores quilombos do Brasil, o de Palmares, Zumbi enfrentou a Coroa Portuguesa em defesa dos escravos que fugiam do trabalho desumano e das torturas vigentes nas fazendas. Na época, Palmares era o maior quilombo do país, chegando a abrigar cerca de 30 mil negros fugitivos do trabalho forçado. Prestes a se tornar uma lenda, no ano de 1695 da referida data, Zumbi é assassinado aos 40 anos por agentes do governo, tendo ainda partes de seu corpo expostas em praça pública, na cidade de Recife.

Na era das Fake News, o protagonista da luta antiescravista é novamente vilipendiado, mas desta vez por boatos e teorias difundidas na internet, que na tentativa de macular a memória de Zumbi dos Palmares, vendem a ideia de que seu legado teria sido uma farsa ou de que ele teria escravizado pessoas – discurso sem fundamentação teórica e facilmente rebatido e desmentido por historiadores.

Em reconhecimento ao legado de Zumbi e de todas as figuras centrais do movimento negro brasileiro, de Luis Gama a Milton Santos, (saiba mais sobre eles aqui), o CFT evoca nesta data o poema símbolo da resistência negra em todo o mundo: “Ainda assim me levanto”, de Maya Angelou (1978).

“Você pode me riscar da História

Com mentiras lançadas ao ar.

Pode me jogar contra o chão de terra,

Mas ainda assim, como a poeira, eu vou me levantar.”